Cara Delevingne e Rita Ora: as BFFs sobre como lidar com os cyber bullies e a negatividade on-line

 

As chances são de você, ou alguém que você conhece, foram beleza cyberbullied no passado. Com o número de usuários no Instagram agora em um recorde de um bilhão, não é surpresa que muitos de nós sejam afetados por comentários que aparecem em nossos feeds.

Segundo a pesquisa, 1 em cada 4 mulheres experimentaram cyberbullying com base em sua aparência, 65% dizem que sua confiança foi afetada e são menos propensas a experimentar seu visual ou estilo de beleza, 46% recorreram a drogas, álcool, danos ou distúrbios alimentares por causa disso e um gritante 115 milhões de imagens sendo excluídas por ano.

Esses números chocantes levaram a Rimmel a lançar sua campanha #IWILLNOTBEDELETED juntamente com a The Cybersmile Foundation, uma organização sem fins lucrativos comprometida com todas as formas de abuso digital.

O projeto de longo prazo da marca de beleza espera aumentar a conscientização e se posicionar contra esse comportamento: “A Rimmel tem um propósito claro de inspirar as pessoas a experimentarem e se expressarem com a maquiagem”, diz Sara Wolverson, vice-presidente da Rimmel. Marketing Global na Coty. “Como marca, somos contra definições restritas de beleza, pessoas sendo envergonhadas, julgadas e criticadas por causa de sua aparência e esse comportamento se manifesta amplamente hoje na forma de cyberbullying de beleza”, apresentando histórias da vida real dos afetados.

A campanha vai ao ar em 12 de novembro e mostra histórias da vida real dos afetados, incluindo os influenciadores e embaixadores da Rimmel, Cara Delevingne e Rita Ora.

Nós nos sentamos com as duas melhores amigas para conversar sobre as melhores maneiras de lidar com os abusos negativos online e a importância do projeto.

MC: ESTANDO NO OLHO PÚBLICO, VOCÊ PENSA QUE AS PESSOAS SENTEM QUE PODEM ESCREVER O QUE QUEREM SOBRE VOCÊ ONLINE SEM PENSAR NAS REPERCUSSÕES?

CARA: Sim, acho que porque você está nos olhos do público, talvez eles achem que você não vai ver, ou que..

RITA: Ou você deveria apenas aceitar isso porque você é uma figura pública.

CARA: Ou que, por algum motivo, você é diferente de qualquer outro ser humano que é afetado por esse tipo de coisa.

RITA: Sim, eu acho que as pessoas esquecem que nós também somos humanos? Você sabe, e às vezes é difícil. É como se as pessoas achassem que porque nós escolhemos essa profissão é quase como se fosse com o território, mas no final do dia, não, não. Como o cyberbullying não é apenas um ponto final legal, e também sentimos isso também.

CARA: E se permitirmos, significa que estamos permitindo que outras pessoas também o façam.

RITA: Sim, qual é o objetivo desta campanha #IWILLNOTBEDELETED.

MC: E você já experimentou CYBERBULLYING PRIMEIRA MÃO?

CARA: Sim, com certeza.

RITA: Totalmente, sim, sim.

MC: É UMA COISA DIÁRIA?

RITA: Bem, eu não me concentro nos comentários tanto quanto eu costumava, eu aprendi muito a me entorpecer com isso ao longo dos anos. Mas para alguém que está começando e acabou de começar uma conta ou qualquer outra coisa, é claro que você não pode deixar de ver. Mas então você chega a um ponto em que você pensa: “Isso é tão ruim para mim, que está apenas envenenando minha mente.” A saúde mental em geral é um problema tão grande e é tão importante que você tenha que cuidar do seu estado mental, faça o que é certo para você, assim você não fica ansioso, você não tem estresse, e tipo, você tem boas pessoas ao seu redor.

MC: Isso significa que você não olha para os comentários mais?

RITA: Eu não, não.

CARA: Quero dizer, às vezes, especialmente quando estou postando algo que quero criar uma conversa ou uma discussão – seja política, ou alguma outra coisa em que acredito.

RITA: Eu não olho para meus comentários de fotos, mas se você quer começar uma convocação, é um bom ponto.

CARA: Eu me lembro de quando era mais jovem, olhava comentários para tentar encontrar coisas para validar o fato de que eu me sentia uma merda em relação a mim mesmo. Eu me odiava e queria que as pessoas me dissessem que me odiavam também para que eu pudesse dizer: “Eu sabia que tinha razão.” É muito doloroso e ruim, mas a quantidade de tempo que você passa olhando essas coisas pode ser fazendo algo para ajudar a si mesmo ou a outra pessoa. Então, se você ler um comentário ruim, escreva uma lista de gratidão, anote cinco coisas que você ama em uma nota e cole no seu espelho e olhe para ele de manhã.

RITA: Isso é muito bom para você.

MC: QUE CONSELHOS VOCÊ TEM PARA AS PESSOAS QUE ESTÃO PASSANDO POR UMA FORMA DE CYBERBULLYING NO MOMENTO?

CARA: Fale sobre isso. Estenda a mão para outras pessoas, porque todo mundo já lidou com isso antes. Você sabe que não importa de qual posição, de onde você é, quantos anos você tem, qual é o seu trabalho, todos nós lidamos com alguma forma disso. E também, se você é um cyberbully, verifique-se cara. Por que você está dizendo o que está dizendo? Quer dizer, tenho certeza de que existem muitos motivos para isso. Se você é alguém passando por isso, envolva-se com pessoas que amam você ou pessoas que o animam, porque isso é o mais importante.

MC: VOCÊ NUNCA TOMA UM DETOX DIGITAL?

CARA: Sim, eu tento fazer uma vez por semana durante um dia inteiro.

RITA: Eu tento não levar meu celular para a cama. Não é uma coisa de tela, mas ver o Netflix é muito melhor do que percorrer as mídias sociais.

CARA: Eu também recebo FOMO e eu apenas olho para as pessoas e eu sou como, oh, porque eu não posso estar em todos os lugares ao mesmo tempo e é como-   (FOMO é um estado mental causado pelo medo de perder algo, estar de fora)

RITA: Eu também sofro de FOMO severo.

CARA: Eu olho para cima e estou como há quanto tempo estou neste buraco? Apenas rolando.

RITA: Acontece apenas porque, como mulheres, somos realmente competitivas e realmente queremos nos provar, porque isso é sempre o que tivemos que fazer durante todo o nosso show.

CARA: Porque há sempre aquela sensação de que há apenas um espaço para uma pessoa e isso é simplesmente ridículo.

RITA: Há espaço para todos nós e não vai te matar para não ir àquela festa naquela noite. Estou aprendendo lentamente a mim mesmo. Estou aprendendo a lidar com isso todos os dias.

MC: CARA, NO PASSADO, VOCÊ FALOU CONTRA O USO DO BOTÃO DISKLIKE NO FACEBOOK, QUAIS OS SEUS PENSAMENTOS SOBRE A IDEIA RECENTE PARA REMOVER COMPLETAMENTE A SEÇÃO DE COMENTÁRIOS DO INSTAGRAM?

CARA: Para ser honesto, as pessoas já têm a opção de excluir certos comentários. Se alguém está com dificuldades e tendo problemas realmente graves com o cyberbullying, acho que é importante fazer isso. Mas, na minha opinião, gosto de ter conversas em meus comentários, especialmente quando estou postando sobre coisas sobre as quais quero debater. Eu acho que é importante, mas há um limite que você conhece. Sempre haverá vantagens e desvantagens, mas se você se livrar dele completamente para todos, estará se livrando da escolha.

RITA: Há tanta pressão entre as crianças de quem está acompanhando quem e quantos seguidores elas têm, e eu acho que é importante que as escolas estejam atualizadas em coisas como essa e ensinem as crianças que essas coisas não são importantes. É uma ferramenta muito melhor para coisas como se expressar ou exibir o que você mais se orgulha. É para isso que eu uso.

MC: VOCÊ PENSA EMPRESAS, COMO O FACEBOOK, DEVERIA FAZER MAIS PARA PARAR O CYBERBULLYING?

CARA & RITA: Sim.

RITA: cem por cento.

CARA: Eles são as pessoas que deveriam estar fazendo isso antes de tudo, você sabe. Então, eu estou realmente orgulhosa que a Rimmel, que é uma grande empresa que tem um enorme alcance e inspira tantas pessoas, está lidando com isso. Espero que esta campanha volte a empresas como o Facebook, e isso as forçará a perceber que precisam fazer algo a respeito. Você não pode consertar o problema completamente, você só pode ajudar, então eles deveriam estar ajudando.

RITA: E é tão legal que é uma marca de maquiagem, sabe? E é uma marca que aceita e promove a individualidade. Na filmagem desta campanha, todos representamos algo diferente. E é legal fazer parte dessa geração.

 

Confira a entrevista em vídeo feito pela revista:

 

Fonte: Marie Claire

 

 

“Todo mundo precisa de validação. Todo mundo quer se sentir ouvido e apoiado.”

Ser criticado, envergonhado ou intimidado on-line pode sobrecarregar a todos nós. Marcas e indivíduos, adultos e crianças, celebridades e influenciadores; o medo de enfrentar a negatividade e o julgamento nas mídias sociais é coletivo. Ao lado de níveis incomensuráveis de ansiedade, isso é algo que leva a 115 milhões de imagens excluídas a cada ano, provando que a repressão da expressão é real graças ao cyberbullying.

Essa questão social levou a Rimmel a lançar “Eu não serei eliminado”, uma campanha de longo prazo com a Fundação Cyber Smile, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o assunto, fornecer apoio prático às vítimas e derrotar a discriminação. expressão.

Incluído no elenco de campanha de indivíduos são embaixadoras da Rimmel e amigas próximas (para não mencionar as ícones globais) Cara Delevingne e Rita Ora. Conhecidos por apresentar seus eus autênticos nas redes sociais, mas infelizmente não sem julgamento, as personalidades sem remorso disseram ao Bazaar sobre suas experiências prejudiciais de cyberbullying e as ferramentas que usam para encontrar confiança para celebrar sua beleza e individualidade.

HB: O que você aprendeu sobre o complexo assunto de cyberbulling com experiência pessoal?

Cara: Eu vejo muitos comentários negativos sobre minhas próprias coisas, porque você procura por isso. Passei muito tempo pesquisando coisas no começo da minha carreira, procurando pessoas para me odiar, porque eu provavelmente não gostava de mim mesma ao mesmo tempo. Mas o pior é que você se acostuma com isso. Estou acostumada a vê-lo e agora dou risada. Eu acho que é claro que haverá pessoas que pensam isso, mas você sabe, eu não sei. Então isso é o mais importante; se você não acha que é isso que importa. Agora, quando publico coisas com as quais realmente me importo, como política, eu realmente acredito e acho que precisa mudar, são os comentários que surgem e que realmente me assustam. Muitas vezes as pessoas são tão extremas em suas crenças que podem realmente me assustar. Se você não acredita no que eu acredito, por que você está me seguindo?

Cara Delevingne for Rimmel's I Will Not Be Deleted campaign

HB: Você está feliz por não ter o Instagram quando estava na escola?

Cara: Estou muito feliz por não tê-lo na escola, eu não sei como as crianças lidam com isso agora. Obviamente, nós tínhamos coisas como MySpace, MSN e Facebook, mas era tudo sobre conectar e manter contato. Definitivamente, isso dá às crianças muito mais em termos de conexão, mas essas coisas vêm com enormes quantidades de perigo. Acho que as crianças agora são muito mais rápidas de crescer e têm muito mais com o que lidar. A pressão é muito difícil. Acho que, enquanto todos estão se adaptando a isso, é preciso ouvir um ao outro, entender o quanto as pessoas são sensíveis e saber o que é aceitável.

HB: O que você diria a sua adolescência, se ela tivesse mídias sociais no mix?

Rita: Eu provavelmente diria a mim mesmo para ser fiel a quem eu sou. Eu tive um pouco de insegurança quando estava começando e senti que não poderia ser eu mesma, e isso agora me sobrecarrega para o futuro, porque se eu fosse eu mesmo, provavelmente teria sido diferente agora . Mas sou muito grata pela experiência que tive.

Cara: Para mim, eu diria, se levar mais de 10 segundos para decidir se você vai postar algo nas mídias sociais, esqueça – quando eu vejo as pessoas se preocupando com ‘devo postar isso ou não’ eu acho , se você for fazer isso, faça; se você não for, não. Há tanto “o que devo dizer?”, Mas embora seja obviamente bom não dizer coisas estúpidas, as pessoas pensam demais nisso. É bom ser você mesmo e seguir o fluxo – expresse-se livremente. Ou tente.

Rita Ora for Rimmel's I Will Not Be Deleted campaign

HB: Como você acha que pode fazer selfies para fortalecer a mídia social e inspirar confiança sobre a ansiedade?

Rita: A ansiedade é uma coisa real. Eu sofro com isso, e todo mundo faz de alguma forma – no sentido de preocupação, frustração, estresse… Com selfies, desde que eu goste da minha foto, eu realmente não me importo. É tudo sobre iluminação! Isso me faz sentir como se estivesse viva e acordada. Eu sei que às vezes coloco fotos nuas malucas na minha mídia social, mas para mim não é maluco porque é o meu corpo. Recentemente eu fiz uma capa do Clash e estava basicamente nua, exceto por um par de luvas, e foi a coisa mais libertadora que eu já fiz.

Cara: Eu te envio uma mensagem depois disso. Quantas pessoas devem te enviar mensagens para fortalecer as coisas?

Rita: Mas você tem que lembrar, essas conversas – quando as pessoas te mandam mensagens que você respeita – fazem você se sentir confiante. Tipo, “você sabe, tenho apoio de pessoas que realmente respeito e amo”. Isso para mim facilita muito o envio.

Cara: Essa é a coisa, pode ser na vida real quando você anda na rua, ou quando você vê uma foto de um amigo no Instagram, e você pensa “Deus eles são lindos”, mas você não faz nada sobre, você apenas pensa. As pessoas fazem julgamentos desagradáveis sobre outras pessoas o tempo todo e dizem, então por que você não pode dizer as coisas boas também em vez de apenas pensar nisso? Se você acha que algo legal pode dizer a essa pessoa – você sabe o quanto isso significará para ela. Todo mundo precisa de validação. Todo mundo quer se sentir ouvido e apoiado.

“Não importa o que os outros pensam. Apenas você.” – Cara Delevingne

HB: Qual é a sua filosofia quando se trata de beleza?

Cara: Minha filosofia de beleza é permanecer fiel a quem você é, e também não tenha medo de se expressar. Enlouqueça, divirta-se, seja selvagem, mas também fique nu e fique nu. Há tanta coisa que você pode fazer com beleza, tantas maneiras diferentes de ser individual – e não importa o que os outros pensam. Apenas você.

Rita: Para mim, é sobre representar de onde você vem, se você é uma linda rosa inglesa, ou como eu, que cresci em um país diferente. Eu vim aqui e me senti realmente aceita, e isso te dá confiança. Quando estávamos crescendo, Cara sempre me dizia para ser eu mesma e isso sempre ficava comigo.

Cara: Ela fez a mesma coisa por mim também.

Cara Delevingne and Rita Ora in 2015

HB: Make-up sempre foi um meio para mulheres e homens se expressarem. como você usa isso?

Rita: Eu uso moda e maquiagem como algo para me expressar, mas também algo para me esconder. Isso é o que torna isso interessante para mim.

Cara: Quando eu comecei minha carreira, senti que estava usando muita maquiagem no trabalho, então eu não queria me expressar pessoalmente usando maquiagem – porque eu só queria usar nenhuma quando pudesse. Mas agora tenho mais liberdade com isso, é divertido experimentar beleza. Especialmente com meu cabelo curto, eu poderia ser mais dramática com os olhos, ou colocar um lábio vermelho, ou eu ficaria neutra e masculina – é legal brincar com isso.

HB: Que conselho você daria para aqueles que não têm confiança para celebrar sua própria beleza e individualidade?

Cara: Meu conselho é que isso não ajuda a sua autoconfiança por não ser você mesmo. É muito importante não se cercar de pessoas que vão te derrubar. A coisa mais importante que aprendi na vida é estar perto de pessoas que te inspiram e te elevam – e te dizem a verdade! Você sabe como quando você está fora de um clube e você tem maquiagem no seu rosto, ou você tem algo em seus dentes, seus amigos devem te contar, mas de uma maneira legal. Não se trata de derrubar um ao outro.

HB: O que mais você aprendeu sobre confiança ao longo de suas carreiras?

Cara: Para mim, a confiança é uma coisa cotidiana. Não se trata de ser uma pessoa confiante ou insegura – sou bastante extrovertida, mas sou super insegura. As pessoas lidam com a insegurança e timidez de forma diferente. Então, nunca julguem ninguém pelo jeito que são, porque isso não corresponde necessariamente a como eles são dentro. Dê uma folga a todos e trate todos com a mesma quantidade de respeito que você esperaria.

Rita: As primeiras impressões para mim não são tão importantes quanto as outras pessoas podem pensar que são. Eu gosto de conhecer alguém e dar-lhes tempo para se aquecerem. Às vezes é difícil em nossa indústria quando você tem uma janela de um segundo para encontrar alguém e deixar uma impressão.

HB: Quem, ou o que, te inspira a se expressar?

Cara: Geralmente, as mulheres me inspiram, não importa o que aconteça. Quanto mais você conhece todas as mulheres, sua história, força e inspiração. Agora, cada vez mais mulheres estão encontrando uma voz para defender aquilo em que acreditam – quanto mais vulnerabilidade for falada, melhor.

 

 

Fonte: Harpers Bazaar

MINHA LONDRES: CARA DELEVINGNE

Casa é…

Onde o coração está. Não, é oeste de Londres.

Onde você trabalha?

Grace Belgravia (acima). Eu gosto do ambiente feminino e eles fazem ótimas conversas. A comida é gostoso e saudável também.

O mais icônico londrino?

A rainha. Eu amo tanto ela. Há muitas coisas que preciso perguntar a ela, mas não seria permitido.

Onde você recomendaria para um primeiro encontro?

Eu começaria no Soho no meio da tarde e passearia pelas ruas. É o melhor lugar para uma aventura. Nós acabaríamos no Ronnie Scott para um pouco de jazz, depois de ter algo para comer no Park Chinois. A melhor comida chinesa de sempre!

Quem você chama quando quer se divertir?

Todos as meus colegas meninas – Adwoa Aboah, Jaime Winstone, Clara Paget, Geórgia May Jagger, Suki Waterhouse e Niamh Watmore. Eu conheço todas elas há tanto tempo.

Se você pudesse comprar algum prédio em Londres, qual seria?

Ponte da Torre. Eu seria a mulher na ponte. Porteiro de Londres. Você precisaria de uma senha para atravessar e eu teria um barco de fuga.

Ônibus, táxi ou metrô?

Irritantemente, acho que os táxis agora, mas o ônibus sempre foi o meu favorito. Indo da minha casa para o parque com muitos amigos. Cantando no convés superior.

Quem são os seus especialistas em beleza?

O pai de Suki Waterhouse, Norman, ele é ótimo. Ele tem um lugar brilhante na Harley Street. E eu sempre gosto do spa no Hotel Café Royal.

Onde você gostaria de ser enterrada?

Eu acho que quero minhas cinzas espalhadas. Talvez do topo do The Shard. Mas se eles baterem em alguém na cara… isso seria horrível.

Último teatro que você viu?

“Exit the King at The National”. Acabei de fazer um programa de TV da Amazon chamado Carnival Row e, depois que envolvemos minha amiga, Indira Varma passou a atuar nisso. Ela e Rhys Ifans foram incríveis.

O que você faria se fosse prefeito do dia?

Bem, eles já reabriram o Fabric, então… eu montaria um caças ao tesouro por toda Londres. Enigmas Prêmios Terrivelmente infantil. Eu amo coisas assim.

Maior extravagância?

Viagem. É importante sair da bolha. Por causa da minha psoríase, encontrei ótimos lugares – como o spa médico Lanserhof na Alemanha.

O que você coleciona?

Conkers.

Oque você está fazendo no momento?

Eu adoro tirar fotos. Eu gostaria de ir atrás da câmera um dia. Eu também escrevo muito, seja música ou scripts. Ao mesmo tempo, quero encontrar tempo para dar voz as pessoas que não as têm através do meu trabalho na ONU.

Quem é seu herói?

Eu sempre vou olhar para Angelina Jolie. Acho que o que ela fez com a ONU, a educação das mulheres e os direitos das mulheres é incrível.

 

Fonte: Standard

 

Ashley Benson e Cara Delevingne nunca confirmaram pessoalmente o seu romance de meses de duração. Mas a Us Weekly está relatando que a Pretty Little Actress está “muito feliz” com Delevingne.

“Esta é a primeira garota que ela já namorou”, diz a fonte de Us Weekly. “Este relacionamento com Cara é a primeira vez que ela está em um relacionamento saudável, e ela se sente muito fácil com ela.” Delevingne e Benson se conheceram pela primeira vez. “Her Smell”, que ambas as atrizes estão dentro. Os rumores de romance entre elas começaram em maio.

Os dois foram mais recentemente filmados em Manhattan juntos no dia 16. Delevingne usava um macaco de pelúcia no rosto para evitar ser fotografada, já que as duas tentaram manter seu relacionamento longe das lentes dos paparazzi e das mídias sociais:

BuzzFoto Celebrity Sightings In New York - October 16, 2018

Delevingne deixou um comentário particularmente romântico no Instagram de Benson no início desta semana, chamando-a de mágica.

image

 

Fonte: ELLE

Cara Delevingne compareceu nesta quinta-feira (25/10) no lançamento do novo carro da Volkswagen, o T-Cross.

A modelo e atriz compareceu no evento trajando uma calça jeans preta, camisa branca, jaqueta de couro e uma bota preta, uma roupa simples mas elegante.

Posicionando-se ao lado do modelo mais recente da gigante automobilística alemã Volkswagen, Cara não pôde resistir a experimentá-la sozinha, sentada ao volante e sorrindo para os fotógrafos.

O evento aconteceu em Amsterdã, capital da Holanda.

Confira todas as imagens sincronizando no álbum abaixo:

25/10 – CARA DELEVINGNE NO LANÇAMENTO DA VOLKSWAGEN T-CROSS EM AMSTERDÃ

Este slideshow necessita de JavaScript.

 





Facebook
Instagram
Parceiros
  • Blake Lively Brasil