Burberry foi a primeira grande marca a dar espaço para Cara Delevingne como modelo e para nossa surpresa Delevingne é o rosto da campanha de natal da marca em 2017.

A campanha de natal foi titulada de “Very ’80s Holiday” e traz Cara Delevingne ao lado do ator Matt Smith, mais conhecido por seu papel na série Doctor Who e a campanha foi fotografada e filmada por Alasdair McLellan.

Confira vídeo da campanha abaixo:

Confira todas as imagens sincronizando no álbum abaixo:

Cara Delevingne para campanha “Very ’80s Holiday” da Burberry

 

Poppy e Cara Delevingne sobre por que homens e mulheres devem falar mais abertamente sobre vaginas

As irmãs apresentam fundo para a campanha Lady Garden, para destacar a importância de conhecer e falar sobre os seus órgãos sexuais e do seu parceiro.

Você pode notar algo de brotação incomum no estábulo da Condé Nast de sites de luxo hoje. Especificamente, supermodelos, atrizes e um maquiador muito famoso, incluindo Cara Delevingne, Naomi Campbell, Suki Waterhouse, Poppy Delevingne e Charlotte Tilbury, mantendo sua modéstia de maneiras criativas, divertidas e muito florais.

O propósito por trás desta celebração de carne e flora livre é destacar um problema que normalmente não é discutido muito abertamente no Reino Unido: câncer cervical. Aqui, Cara e Poppy Delevingne explicam exclusivamente a GQ por que elas e sua irmã Chloe estão envolvidas na campanha Lady Garden e o que representa.

Uma coleção de camisetas de edição limitada será lançada em Selfridges em 5 de outubro de 2017, com um preço de £ 28, cada uma com 100% dos lucros para o Gynecological Cancer Fund para financiar pesquisa inovadora no The Royal Marsden.

 

Cara Delevingne sobre como as células pré-cancerosas de sua irmã a inspiraram a se envolver

“Eu inicialmente me envolvi como minha irmã Chloe que é uma das co-fundadoras da campanha, tendo experimentado as células cervicais pré-cancerosas que ela teve. Mas mesmo que Chloe não estivesse envolvida, eu ainda gostaria de apoiar o que a Campanha Lady Garden está fazendo. É divertido, mas tem uma mensagem realmente importante que é muito importante para mim – que meninas e mulheres devem ser liberadas das restrições sociais que nos obrigam a tentar se encaixar em um molde. Quer seja uma certa maneira de olhar, suas escolhas sobre seu futuro ou – como neste caso – falar abertamente e bravamente sobre vaginas e todas as áreas ginecológicas do corpo de uma mulher. É um direito humano conhecer nossos corpos e nós somos tão mal educado. Espero que, apoiando a campanha Lady Garden, incentive as mulheres a serem corajosas, conhecer seus próprios corpos e falar!”

Cara Delevingne sobre por que os homens devem falar abertamente sobre vaginas

“Isso não é apenas uma questão de mulher. Os homens estão perdendo suas esposas, irmãs, mães e tias a esses assassinos silenciosos. O diagnóstico é fundamental, mas para ter um diagnóstico precoz, temos que conhecer nossos próprios corpos. Eu realmente acredito que  homens e mulheres devam entender os corpos uns dos outros, assim como eles fazem com o seu próprio corpo. Ou, pelo menos, poder falar abertamente um com o outro. Especialmente no Reino Unido, há tanta vergonha quanto às áreas do corpo que são consideradas sexuais. Essas áreas também são órgãos e, se começarmos a tratá-los como tal, todos podemos ajudar uns aos outros a viver vidas mais abertas e conectadas”.

Poppy Delevingne sobre o que as irmãs Delevingne chamam de suas vaginas

“Eu me sinto muito forte que as mulheres possam conversar umas com as outras. Crescendo, sempre fui um pouco tímida ao falar sobre essa parte do corpo, mesmo com minhas melhores amigas. Vagina não deveria ser uma palavra travessa, devemos ser capaz de falar  sobre sem ficar envergonhada. Cara, Chloe e eu escolhemos ‘Nou Nou’ como nosso apelido, pois pensamos que as meninas ficarão à vontade usando essa palavra. Se pudermos pensar nas adolescentes pensando em apresentar o tópico em um maneira divertida, então elas descobrirão o que realmente é essa campanha: salvando a vida de outros dos cânceres ginecológicos. É realmente importante porque esses cânceres ainda são muito mal interpretados. Minha irmã Chloe teve muita sorte em estar estudando medicina e, portanto, estava bem informada, descobrindo suas células pré-cancerosas cervicais cedo, mas a maioria das mulheres é muito pouco educada sobre seus corpos. a Lady Garden pode mudar tudo isso.”

Poppy Delevingne sobre como os homens estão envolvidos

“Tive a sorte de me envolver na campanha desde o início e percebemos um movimento real de homens tentando se envolver também. Sei que Chloe e Mika Simmons, que fundaram a campanha, ouviram toneladas de histórias sobre que os homens estão perdendo suas mães e irmãs para esses cânceres ginecológicos. É bastante simples – a falta de diagnóstico precoce e as taxas de mortalidade altas subsequentes desses cânceres também afetam os homens também… Espero que esta campanha seja o superfície e abra uma conversa mais consciente entre ambos, homens e mulheres.”

 

 

Saiba mais sobre a Lady Garden: http://ladygardencampaign.co.uk/

 

Fonte: GQ Magazine

Cara Delevingne fez uma campanha um tempo atrás para a marca Rimmel London, qual Delevingne é embaixadora.

Fotos da modelo nos bastidores da campanha acaba de serem divulgadas, confira as imagens sincronizando no álbum abaixo:

 Cara Delevingne nos bastidores da campanha para Rimmel London

 

A Elle Brasil conversou com Cara Delevingne sobre seu novo projeto em parceria com a Puma, o #DoYouStories, e debateu os padrões, empoderamento e segurança feminina.

Entrevista e matéria Por Carol De Barba da Elle Brasil

Cara Delevingne comandou a premiére do projeto #DoYouStories, uma série de documentários que assina para a campanha Do You, da Puma, na tarde do domingo (23.07), em Londres. O evento também abordou o empoderamento feminino em talks com algumas das participantes dos filmes e serviu, ainda, para apresentar um lançamento da marca: modelos de cadarços especiais para o sneaker Basket Heart, cuja venda na Europa será revertida para a UNHCR (ou ACNUR, a agência da ONU para refugiados).

Cara é o rosto da iniciativa “Do You”, criada por Rihanna, atual diretora criativa da marca esportiva, com o objetivo de encorajar as mulheres a serem mais confiantes e motivadas. As campanhas de divulgação dos produtos ligados ao projeto serão feitas sem maquiagem será feita sem maquiagem e passando longe de estereótipos de feminilidade a fim de combinar com as histórias inspiradoras das mulheres escolhidas a dedo pela atriz e pela equipe por trás dos filmes.

 

São quatro episódios ao todo, que duram entre 4 e 7 minutos, todos disponíveis no canal da Puma no Youtube

 

 

No primeiro, Cara viaja a Uganda com a fundação Girl Up, da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU), para conhecer o trabalho feito com crianças refugiadas, e introduz o projeto #DoYouStories. Em seguida, ela apresenta o grupo “Get Lit”, que usa a poesia para empoderar jovens. Já em “Martial Smarts Self Defense Class”, a modelo e atriz aprende sobre defesa pessoal com a instrutora Dr. Ryhanna Dawood. Por fim, em “Preventing Bulling”, apresenta duas protagonistas da causa: Natalie Hampton, fundadora do aplicativo “Sit With Us”, e Daniella Carter, transgênero e ativista especialmente entre seus pares.

Depois de assistirmos aos filmes, conversamos com Cara sobre a experiência. Confira!

Você é uma profissional super dedicada, e costuma escolher trabalhos que te possibilitem crescer como pessoa. O que você aprendeu com esses documentários?

Na verdade, eu não trabalho apenas para o meu crescimento. É claro que isso é importante em tudo que você faz, mesmo que seja tirar um dia de folga. Nesse caso, aprendi muito, mas também espero que outras pessoas se inspirem e aprendam. Quero acender essa chama nas pessoas, essa vontade de fazer algo para mudar — qualquer coisa pequena já conta. Essa experiência me inspira ainda mais a descobrir e contar histórias incríveis.

No último ano, eu conheci tantas mulheres maravilhosas, e mal posso esperar pela minha próxima viagem, que, se tudo der certo, deve ser para a Síria. Quero me envolver com temas sobre os quais as pessoas precisam tomar conhecimento. A crise dos refugiados, assim como a forma como eles são tratados, é um assunto muito importante. Como as pessoas preferem viver na bolha, é difícil para elas realmente entenderem. Se um adulto não quer ouvir, você precisa fazê-lo imaginar como se fosse uma criança, seu filho. Aí ele vai ouvir. As pessoas deveriam ter mais compaixão pela humanidade.

De todo o processo de construção dos filmes, tem algum momento que você não esquece?

Uganda! Não consigo definir um momento específico. Nunca me senti tão alegre e devastada em um mesmo lugar ao mesmo tempo só pelo fato de conversar com cada uma das meninas que conheci lá. Jogar futebol e correr com esse grupo de crianças foi divertido mas, de novo, rolou o momento “choque de realidade”. As crianças me deram boas-vindas com uma dança incrível, e tinham duas menininhas copiando tudo o que eu fazia. Eu estava literalmente me sentindo maravilhosa com aquelas crianças, mas aí vem essa realidade que me atinge: a maioria delas perdeu os pais, usam as mesmas roupas há dias, algumas estão doentes, outras vão morrer, não vão terminar a escola. Foi um tipo de momento em que eu me perguntei “como ouso estar tão feliz?”. É um sentimento muito estranho. Levei um monte de roupas da Puma comigo, e queria dar todas elas, mas não podia porque você não é sobre simplesmente dar um monte de roupas e achar que resolveu — mas é claro que acabamos dando todas as roupas, eu não conseguiria voltar para casa com elas, seria muito estúpido. Enfim, tantas coisas aconteceram nessa viagem.

Você tem falado bastante em entrevistas sobre um sentimento de liberdade após raspar os cabelos. Desafiar padrões e conceitos ultrapassados de beleza também é importante para o empoderamento?

Isso me deixa muito brava. Como as pessoas se atrevem a definir beleza? Como qualquer um se atreve a dizer “isso é bonito, isso não é”. Eu entendo que as pessoas fazem isso há muito tempo na sociedade em que vivemos já que elas sentem uma necessidade de criar regras, só que realmente me choca conhecer meninas que não se sentem bonitas. Isso é um crime porque todo mundo é bonito. Eu conseguiria citar algumas pessoas, que inclusive estão na televisão, e que não são bonitas por causa do que fazem em relação ao mundo, à política e por não se preocuparem com outros seres humanos. Honestamente, acho que ter um coração, ser humano, é lindo, independentemente das escolhas que você faz, a cor de cabelo que você tem, se você é homem ou mulher. A beleza é infinita, você só tem que abrir os olhos para ela.

Você é uma artista com tantas habilidades — atriz, escreve poesia, prosa, música… É diferente criar em cada uma das áreas?

Eu não sei os meus limites criativos porque ter que me expressar também sempre foi o meu maior medo. Tenho dificuldade em encarar as pessoas, me apresentar e ficar na frente do público. Costumo suar muito antes de subir ao palco porque isso me assusta. Ser eu mesma na frente das pessoas é assustador, sou boa em ser outra pessoa. Então, assumir essa postura criadora ainda é um grande medo e não sei o quão longe vai porque me apavora. É um esforço diário, um exorcismo: quanto mais você faz, melhor você fica. Eu costumava muito dizer “não sou boa em escrever melodias” até que alguém perguntou o motivo. Você não pode dizer que não é bom em algo até tentar. Muitos de nós nos colocamos para baixo antes mesmo de saber se conseguimos ou não fazer alguma coisa.

No dia a dia, nos momentos simples da rotina, como as mulheres podem empoderar umas às outras?

Motivando umas às outras. Esse hábito de se comparar com as pessoas, principalmente nas redes sociais, nos coloca para baixo. É possível parar com a rivalidade e com a inveja, e, no lugar, passar a se sentir confortável com você mesma, motivar seus pares. Se você acha alguém bonito, se você gosta do vestido de alguém ou de algo que essa pessoa disse, fale. Expresse o que você sente. Seja honesto. Se você está tendo um mau dia, diga que está tendo um mau dia. Não se force a ser algo que você não é. Do you?

Via.

É claro que Cara Delevingne é uma das musas de Karl Lagerfeld, ao lado de outras mulheres maravilhosas e o incrível designer de moda alemão escolheu Cara Delevingne e Lily Rose Depp para estrelarem a nova campanha da Chanel.

As duas são o rosto da coleção outono/inverno 2017/18 da grife.

Confira todas as imagens sincronizando nas miniaturas abaixo:

3~134.jpg2~138.jpg4~130.jpg

 





Facebook
Instagram
Parceiros
  • Blake Lively Brasil