A revista Cineplex entrevistou Cara Delevingne para falarem um pouco sobre o próximo filme a atriz a estrear nos cinemas, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, na edição de Julho.

Confira a matéria completa e traduzida abaixo:

Com apenas 24 anos Cara Delevingne vem deixando uma surpreendente carreira como uma das maiores “top models” a ser uma grande atriz. Aqui temos a britânica multi talentosa falando sobre atuar como uma agente espacial no próximo filme de Luc Besson, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas.

Cara Delevingne agiu como uma animal real para conseguir o papel da agente espacial Laureline no filme de Luc Besson, o espetacular Valerian e a Cidade dos Mil Planetas.

Se você está esperando a história de uma modelo mimada que se transformou em atriz por conta de uma birra para atuar em uma papel super divertido de um dos filmes mais esperados do verão, você irá ficar desapontado. Mas a história real é muito boa também.

É sobre a audição nada convencional de Delevingne com o visionário diretor Francês Besson, quem estava finalmente pronto para fazer a versão em filme de seu Comic Book preferido, “Valérian and Laureline”, escrito por Pierre Christin. O filme de Besson foca nos dois personagens principais (Dane DeHaan interpreta Valerian) e sua missão para a cidade Alpha, casa de milhares de especies alienígenas, na qual a uma força do mal está ameaçando a paz.

“Eu fui e conheci ele em Paris e ele me fez passar por diferentes estágios, como em uma escola de atuação,” explica a britânica de 24 anos que representa marcas como Rimmel London, Burberry e Chanel, e que ganhou duas vezes o premio de Modelo do Ano no British Fashion Awards. “Eu teria que ser um animal e ele teria que adivinhar que animal era. Como um peixe ou gorila ou um coala.”

Depois, Delevingne teve que contar a Besson uma história sem usar palavras, fazendo com que o diretor entendesse a narrativa baseado em sua pura fisicalidade. “É muito parecido com o que você faz em uma escola de teatro,” diz ela.

Ela conseguiu o papel, o que não deveria ser uma surpresa para todos que estão familiarizados com os talentos especiais de Delevingne. Ao lado de sua bela aparência que foi simplesmente passado a ela por seus lindos pais, se você visse Delevingne fazendo BeatBox (a arte de soar como uma bateria usando nada mais do que a boca) no The Tonight Show, The Graham Norton Show ou durante as entrevistas dela em 2015 para promover o filme Cidades de Papel você saberia que Delevingne tem habilidades e não tem medo de parecer pateta ou diferente enquanto mostra eles.

Não que sua personagem, Laureline, seja pateta ou diferente, nada disso.

“Laureline, ela é extremamente inteligente”, diz Delevingne. “Ela é inocente em certa maneira, mas não inocente, apenas é da moda antiga no sentido de que ela acredita no amor e ela acredita que você conhece uma pessoa e ficará com ela para sempre. Mas mais do que tudo ela é trabalhora, inteligente, esperta e espirituosa, ela é muito engraçada, ela pode ser, mas não tem tempo para isso, ela precisa fazer o serviço.”

Delevingne está no telefone de sua casa temporária em Toronto. Ela está aqui para gravar seu próximo filme, “Life in a Year”, no qual ela faz uma menina prestes a morrer e seu namorado (Jaden Smith) decide dar a ela todas as experiencias de uma vida no pequeno período que ela ainda tem.

“Eu estou apenas em reuniões, ensaios,” ela diz, depois admite, “É bem estressante.” Talvez pelo fato de ela conhecer seu parceiro de cena Smith por anos, e tendo estrelado ao lado de seu pai em Esquadrão Suicida, torne isso mais fácil.

A lista dos amigos mais pessoais de Delevingne é como uma capsula dos 10 últimos anos da cultura pop – Taylor Swift, Kate Moss, Selena Gomez, Harry Styles, Miley Cyrus, Kelly Osbourne, Rita Ora, varias Jenners e Kardashians, e várias ex namoradas como a atriz Michelle Rodriguez e a cantora St. Vincent.

Mas uma de suas amigas mais próximas parece ser a estrela do pop Rihanna. Elas já foram vistas viajando juntas, andando de bicicleta, nos clubes, em desfiles, eventos de esporte e em festas de gala.

Então quando Besson disse a Delevingne que ele estava pensando em oferecer uma parte do filme para Rihanna, Delevingne ficou animada.

“Eu estava em Nova York quando ele mostrou para ela todas as imagens e disse a ela sua ideia,” ela diz. “Foi muito interessante ver o rosto dela ganhar luz, e ver ela se apaixonar pelo projeto igual a mim, foi muito bonito.”

Delevingne não é nada mais do que uma viajante (Valerian foi filmado em Paris, um lugar muito familiar para Delevingne por conta de seus anos de modelagem), Toronto é a cidade que sempre a chama de volta. Em 2014 ela foi no “Toronto Internacional Film Festival” para promover seu primeiro filme com falas “The Face of an Angel”, ela retornou a Toronto no verão de 2015 para filmar Esquadrão Suicida, e agora ela está filmando “Life in a Year”.

Vendo como seu bisavô paterno, Hamar Greenwood, nasceu próximo a Whitby, Ontario, e viveu aqui até ir para a Inglaterra, já como um homem, depois se transformou em um político e então em visconde, será que ela tem algum parente distante nessa área?

“Como você sabe disso,” Delevingne pergunta, confusa, sobre seu bisavô ser canadense. “Qual bisavô?”

Quando informada que as infomações estão na pagina do Wikipedia dos Greenwood, Delevingne entra no site e começa a ler para ela mesma. “Meu Deus. Espere. Meu bisavô…(lendo do Wikipedia) ‘Teve um antecessor que imigrou para o Canada…foi educado na Universidade de Toronto.’

“Obrigada por me contar isso, eu não fazia ideia,” ela diz, gargalhando.

Bem “Não, eu não tenho nenhum parente que eu saiba nessa área.”

Cara Delevingne não tem aulas formais de atuação, ao invés disso ela trabalha com uma professora de atuação, Nancy Backs, que trabalha em Los Angeles. Mas – adivinhe? – é de Toronto e estudou na York University. Banks tem como seus clientes Chris Pine, Jennifer Garner, Channing Tatum e Emma Stone.

“Você sabe, toda vez que eu faço um filme todo ator que eu trabalho é um professor para mim,” diz Delevingne.

Enquanto filmando Valerian e a Cidade dos Mil Planetas ela não só aprendeu com seus companheiros de cena como com toda a tecnologia ao seu redor.

“Esse filme é muito parecido com ser criança, isso porque eu preciso usar minha imaginação já que tudo foi feito em uma tela azul,” ela diz, “Você está no estúdio o tempo todo, tudo é azul e você precisa estar constantemente imaginando o que esta acontecendo ao seu redor então é como me levar de volta para quando eu era criança, e provavelmente na época que eu era uma melhor atriz.”

Fonte: Cineplex