Nós do Cara Delevingne Brasil tivemos a oportunidade de assistir ao filme Valerian e a Cidade dos Mil Planetas na última quinta-feira (03/08) e também marcamos presença na coletiva de imprensa e no tapete vermelho que aconteceu em São Paulo.

O evento contou com a presença do ator Dane DeHaan (Valerian) e do diretor francês Luc Besson. Infelizmente nossa musa Cara Delevingne não compareceu, ela ficou no México junto de suas amigas e familiares para comemorar seu aniversário, que acontece no dia 12/08!

Mesmo sem nossa querida Cara Delevingne, o evento foi incrível. Sobre o filme, nós podemos dizer que a atuação de Delevingne evoluiu muito desde Cidades de Papel, e que a atriz aparece em 99% das cenas presentes no filme. Laureline, uma mulher extremamente forte, rouba a cena várias vezes provando que um homem – no caso Valerian – precisa sim de uma mulher para conseguir concretizar suas missões.

Nas palavras de Luc Besson: Laureline é uma mulher forte e independente, mas ao mesmo tempo apaixonada e bem “old fashioned”. Ela é romântica, espera se casar e ter filhos com apenas um homem, acredita no amor.

Na coletiva de imprensa tanto Luc Besson quanto Dane DeHaan responderam diversas perguntas, e inclusive falaram de Cara Delevingne.

SOBRE CARA DELEVINGNE E RIHANNA

Luc Besson brincou dizendo que não sabia quem Rihanna era até o teste mas no final disse que ela é uma atriz incrível e que durante as gravações ela é uma pessoa completamente normal, não tem nada do glamour de uma celebridade. Disse que ela é séria e totalmente centrada no que está fazendo.

Sobre Delevingne, o diretor falou que fez diversos testes com ela e com outras atrizes porem ele sabia que era Cara Delevingne quem deveria ser Laureline. Luc disse que judiou de Delevingne durante as gravações pois fez ela ir até seu limite e depois também afirmou que Cara não é modelo, e sim uma atriz nata que nós veremos atuando pelos próximos 15/20 anos. Ele disse: “Eu tenho experiência para afirmar isso. Eu conheci Natalie Portman aos 10 anos e Milla Jovovich, eu nunca errei, tenho experiência para dizer que Cara não é modelo e sim que nasceu para ser atriz.”

SOBRE O FILME

Luc Besson afirmou que o filme é sobre super-heróis, mas não é um filme de super-herói americano, não tem nada de igual aos filmes americanos. E o que ele acha incrível é que o filme é composto por super-heróis comuns, humanos, iguais a qualquer um. Ele disse que o filme conta na verdade uma história de amor, é algo que qualquer pessoa passa. É um aprendizado para Valerian.

SOBRE A MENSAGEM QUE O FILME DEVE PASSAR

O filme se passa no futuro, a humanidade já viveu o bastante para pensarmos que ela deva estar em um patamar mais alto, evoluída, porem vemos que ainda temos muito o que aprender. Os Pearls (alienígenas) são uma espécie quase que perfeita. Nós, humanos, que nos sentimos no topo da cadeia, deveríamos com tanto tempo de vida, ter evoluído e ter chegado a essa quase perfeição. O filme mostra que mesmo no futuro estamos longe de chegar lá.

SOBRE O PAPEL DE UMA MULHER TÃO FORTE NO FILME

Luc Besson disse que para ele era incrível ver Laureline nos quadrinhos quando ele tinha apenas 10 anos e que nenhum homem é alguma coisa sem uma mulher.

Dane DeHaan falou que, por experiência própria, ele não estaria onde está se não fosse por sua mulher e acabou dizendo que Valerian não é nenhum super-mega-herói: ele não usa um super martelo, ele não é o Thor, ele precisa de Laureline e não é capaz de fazer as missões sem ela.

SOBRE CONTINUAÇÃO DO FILME

Luc Besson foi questionado se o fato de não ter contato o passado de Laureline e Valerian é uma estratégia para uma sequencia do filme. O diretor disse que não, que ele realmente já quis começar com a ação porém que ele ficaria muito feliz em poder realizar uma sequencia e se aprofundar mais nos personagens de Laureline e Valerian porém isso tudo irá depender de como o filme será recebido pelo público.

Muito mais foi dito na coletiva porem muito acaba sendo spoiler do filme e nós não queremos isso. Queremos que vocês cheguem ao cinema e se surpreendam com a história e a beleza do espaço onde Valerian e Laureline viajam!

Após a coletiva, nós do Cara Delevingne Brasil seguimos para o tapete vermelho que aconteceu em São Paulo, onde haviam vários fotógrafos, jornalistas e canais de imprensa grandes que conseguiram entrevistar o ator e o diretor do filme. Claro que nós ficamos ali observando tudo e conseguimos tirar uma foto com Dane DeHaan, e podemos dizer que ele foi super fofo e simpático com todos!

Confira algumas imagens tiradas pela fotógrafa, Cecilia Ferreira, durante o tapete vermelho:

Confira crítica do filme feita por Gabriel Danvers do site Portal 42:

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas é o tipo de filme que precisa ser feito com mais frequência.

Algo que sempre admirei em Luc Besson como um artista é que ele é um genuíno autor. Ele faz os filmes que ele quer, do jeito que ele quer. Independente de eu gostar do produto final ou não, sempre que um cineasta consegue alcançar esse feito na grande indústria, ele merece respeito.

Valerian é o sonho de um cineasta tornado realidade, e sente-se a paixão por trás dele. É perceptível o quanto Luc ama este mundo, o quanto ele ama estes personagens, estas roupas extravagantes e as culturas criadas aqui. O design de produção é uma das primeiras coisas a chamar atenção; é espantoso. A partir de uma icônica sequência de abertura ao som de Space Oddity, de David Bowie, somos tirados de nosso mundo e inseridos no espetacular universo de Valerian, e uma vez que estamos lá, não queremos mais sair. É tão deslumbrante, inventivo e meticulosamente elaborado pelo enorme set design e os estonteantes efeitos visuais que apenas isto já torna o filme digno de ser visto.

Na linguagem de nossos tempos, Besson dirige esse filme por bosta. Sua câmera enquadra os personagens em ação enquanto contemplando as paisagens fantásticas de uma forma que nos permite apreciar ambos sem nunca distrair-nos; isso, claro, registrado em uma belíssima fotografia supercolorida. A trilha de Alexander Desplat – cujo trabalho sempre fora influenciado por John Williams – é bastante cativante com um sentimento de originalidade, como se Desplat tivesse, em vez de buscado inspiração direta em Williams, buscado inspiração nas fontes onde o próprio Williams o faz. Seja como for, a música realmente coloca o “Opera” em Space Opera e torna toda a aventura mais épica e empolgante.

Apesar de se dirigir brevemente ao recorrente tema de transformação presente na filmografia de Besson, Valerian se desvia um pouco dos temas costumeiros do diretor, porém não deixa de abordar uma visão interessante. Aqui Besson coloca sentimento, humanidade e harmonia acima de tudo que existe no universo – no tapete vermelho do longa, um repórter perguntou a Besson sobre a relação entre nossa realidade e a utopia representada no filme, e ele respondeu algo como “não deveria ser uma utopia; deveria ser realidade”. Ele se dedica tanto ao fator humano na história que quando um personagem importante escorrega para fora da linha narrativa principal, Besson vai atrás deste personagem em vez da história, tornando-o sua maior prioridade até trazê-lo de volta para a trama. Ele simplesmente… faz isso, sem dar a mínima para o que críticos poderiam vir a dizer sobre a estrutura narrativa do filme. De fato, narrativamente o filme não surpreende, na verdade é um tanto previsível, mas Besson nunca tenta esconder o óbvio e deixa bem claro que Valerian é muito mais sobre a jornada do que o destino.

Storytelling visual se mostra em sua melhor forma aqui. Desde uma longa sequência introdutória mostrando a cultura do planeta Müll à fascinante dança multiforma de Rihanna, Valerian consegue hipnotizar e compartilhar uma tremenda quantidade de informação meramente com o visual; os diálogos, por sua vez, são postos à melhor uso quando desenvolvendo os relacionamentos entre os personagens. Valerian e Laureline são dois queridos e pude me identificar com diferentes aspectos de cada um deles, e ainda mais do que os diálogos, os maiores responsáveis por isso são nossa dupla de estrelas.

Dane DeHaan e Cara Delenvigne tem uma química impecável. Eles trabalham um no outro tão fluidamente, mas o filme também garante que possamos ver como eles funcionam quando separados. Pessoalmente, eu especialmente amo que Besson tira um tempinho pra focar apenas em Laureline em sua própria missão, e esta acabou sendo uma das partes mais divertidas do longa. Rihanna também foi uma surpresa agradável, tanto na tamanha atenção que foi dada à história de sua personagem, quanto na direção que eles levam esta personagem também. É como uma bela carta de amor à artistas de toda parte, e se encaixa tão bem dentro de um projeto tão apaixonado.

Se eu tenho que apontar um grande problema, seria o consideravelmente fraco terceiro ato. Enquanto a trama se fecha de forma satisfatória, para um filme tão esteticamente colossal o clímax fora bem reservado em escala. Besson tinha a oportunidade de ir à loucura total – como fez no criminosamente subestimado Lucy -, mas desta vez ele aparentemente se segurou; talvez ele quisesse guardar um clímax psicodélico e insano para uma sequência, o que é muito triste, já que todos sabemos que provavelmente nunca veremos uma sequência de Valerian. Seja como for, o terceiro ato aqui poderia ter sido mais audacioso.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas é, como afirmei no começo, o tipo de filme que deveria ser feito com mais frequência. É cheio de paixão e comprometimento, e mesmo que não resulte numa das maiores aventuras cinematográficas deste ano maravilhoso, com certeza é uma das mais refrescantes. Apoie este filme, independentemente de achar que ele está longe de ser uma obra-prima, ou que ele é apenas okay ou mediano, pois se não o fizer, então é garantido que nunca teremos uma obra-prima inventiva desta maneira, afinal ninguém mais vai querer fazer filmes assim de qualquer forma.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas estreia dia 10 de Agosto em todos os cinemas do Brasil, corra no mais próximo de você e garanta essa experiência incrível que é assistir Valerian! Não deixem de nos contar o que acharam do filme, pelo nosso twitter, após assistirem. Esperamos mesmo que o achem tão incrível quanto achamos 🙂

Categories: Uncategorized