Recentemente, o site ‘The Guardian‘ divulgou uma entrevista com a modelo Cara Delevingne realizada recentemente. Na mesma, a britânica fala sobre sua carreira como modelo, sobre a música, bater em um paparazzi, fãs, suas caretas e mais. Leia a seguir:

Sobre bater em um paparazzi:

”Eu amaria, eu realmente gostaria, eu seria tão feliz, eu sonho com isso à noite.”

 

Sobre ser modelo e suas constantes caretas:

”Isso começou como um ‘mecanismo de defesa’, você fica fora de diversas situações difíceis. Como uma modelo, eu realmente apoio não ser uma modelo, se isso faz sentido. Quando eu comecei, toda a ideia de ser modelo era muito diferente, era um pouco rude e arrogante. Não um rude e arrogante, mas ninguém estava tentando se divertir, ou nem mesmo se divertindo, mas disposto a sorrir. Quando minha carreira decolou, algumas meninas entraram em contato com seus problemas, os pais passando por coisas, problemas familiares, problemas com seus amigos, comer, drogas, namorados, sofrer bullying é um grande problema também, e eu costumava ajudá-los.

 

Sobre como ter fãs é um pouco assustador para ela:

”Eu estava na Escócia e eles sabiam: ‘Oh, você esteve em Inverness neste fim de semana.’ Eu fiquei tipo: ‘Como é que você sabe disso? ” e eles disseram: ‘Porque alguém que estava no banheiro com você twittou isso.’ É assustador, coisas assim, tipo, uma pessoa em um banheiro. Quando eu estava crescendo, eu era fã de tantas pessoas da música e atuação, mas é um tipo diferente dos fãs de agora, é como se eles fossem obcecados. Eles encontram uma pessoa e ficam obcecados por ela, e eles seguem ela – Eles tem que saber tudo sobre a vida deles, porque agora você tem esse acesso, Instagram e Twitter, você pode literalmente ser uma parte da vida deles. Eles conseguem uma pessoa e é isso. As coisas mudaram muito. Isso é tipo realmente assustador.”

 

Sobre ser uma inspiração de estilo:

”Eu sempre uso as mesmas malditas coisas, jeans e jaqueta de couro e um couro, com tenis de treinadores. Mesmo na escola, algumas ficavam tipo: ‘Oh, você não pode usar a mesma roupa duas vezes em uma semana’, ou algo assim, e eu ficava tipo ‘O que? São apenas roupas.’ São realmente apenas roupas.”

 

Sobre a sua tatuagem escrito ”Made in England, na sola do pé:

”Você é olhado, você não é visto, você é tratado como uma espécie de manequim. Eu tenho uma tatuagem dizendo ‘Made in England’ na sola do meu pé para representr isso, que eu me sentia como uma boate por tanto tempo. Porque você é apenas um tipo de fantoche, você sabe, entretenimento. Você meio que sente que você realmente não precisa ter nenhuma alma, para fazer esse trabalho, um pouco. Mas, então, fica melhor e as pessoas realmente querem ouvir a sua opinião e é a coisa mais chocante no momento quando isso acontece. Tudo muda: ”Você costumava me tratar como merda e agora você até suga por mim.”

 

Sobre ter uma carreira na música:

”Se eu seria feliz em continuar modelando? Um, é. Você sabe o quê? Se isso acontece, se eu tenho feito um pouco de dinheiro ou qualquer coisa, eu posso parar e eu vou fazer música. Vou passar seis meses do ano para fazer um álbum. Esse é o ponto. Eu não posso ficar apenas aqui e ali fazendo sessões de gravação, você tem que parar e se livrar de tudo, toda a merda que está acontecendo ao seu redor, e na verdade, se trancar longe e fazer isso. E isso é o que eu amaria fazer. E quando essa merda não der certo, sim, eu vou ignorar isso e fazer. Isso é o que eu estou esperando, pelo tipo de tempo que eu vou poder usar.”’

 

Sobre gravar com Simon Fuller:

”Eu acho que ele passou por todas as modelos e queria ver se alguma tinha outros talentos. Eu gravei muito com ele. O que mais me chateou foi que eu não estive lá para a produção, e isso é realmente importante para mim.”

 

Sobre sua música e sua voz:

”É tudo muito… é geralmente muito jazzy, muito emotivo… A minha voz é muito rouca. É sempre sobre emoções. Bem, geralmente de qualquer maneira. Eu só não gosto do pop happy-clappy. Ao menos que isso seja pop happy-clappy de um jeito legal.” 

 

Sobre se sua filha quisesse se tornar modelo:

”Eu diria que não, se isso é tudo o que ela desejava. Você sabe, eu recebo várias garotas que dizem ‘eu quero muito ser modelo’. E eu penso: você pode fazer melhor que isso. Eu digo, veja, eu amo isso, eunão estou dizendo nada ruim sobre isso, eu só acho que você pode fazer muito mais. Eu era incrivelmente sortuda por fazer tudo o que eu tenho feito, isso não é fácil, há tantas modelos que passam por tanta merda, e é apenas isso, se você tem um cérebro, que todo mundo tem, use-o e tente fazer outra coisa.”

 

Sobre atuar e participar de ‘Timeles‘:

”Eu sabia que eu ia ter que lutar realmente muito para fazer isso, porque eu tive que provar a mim mesma. A maioria das pessoas tem esse estigma: Ela é uma modelo, ela não sabe atuar, nós não queremos você em nosso filme. Aa pessoas dizem para mim: ‘O dinheiro provavelmente não é suficiente, não é a quantidade de dinheiro que você costuma receber.’ E eu continuo dizendo: ‘Não, esse não é o ponto, eu pagaria para fazer esse filme porque eu me importo muito com isso.”

 

 

 

Facebook
Instagram
Parceiros
  • Blake Lively Brasil