Pandora Delevingne, 53, acaba de escrever um livro contanto sua batalha contra o vício em heroína , no momento o livro está sendo editado. A mãe de Cara Delevingne concedeu recentemente uma entrevista ao The Times no qual fala um pouco de sua luta e como o vício afetou sua vida e o da sua família, por isso acaba citando Cara Delevingne diversas vezes, confira a entrevista completa abaixo:

Pandora Delevingne, mãe das supermodelos Cara e Poppy, conta à Lucy Cavendish como a sua luta com o vício afetou sua família

Pandora Delevingne está andando pela sala do porão de sua gigantesca casa em Pimlico. Ela está exoticamente vestida, com um vestido de camponesa ucraniana meio vermelho feito por Vita Kin com mangas bufantes, borlas e muitos bordados, e com sapatilhas vermelhas de estilo oriental.

Ela é elegante e loira com uma boa estrutura óssea, com as maçãs do rosto altas e pernas tonificadas, e cada pedaço dela parece com uma fashionista. Ex-personal shopper da Selfridges, Delevingne, 56, não é só uma muito bem conectada aristocrata, mas também dizem que ela esteve aconselhando a Duquesa de Cambridge em suas escolhas de roupa. “Bem, eu acho que “aconselhamento” é uma palavra muito forte para isso”, diz ela. “Eu apenas sugeri algumas peças mais interessantes para ela usar.”

O olho de Delevingne para o eclético e o seu senso de estilo é o porquê de ela ter recém-aberto uma inesperada loja Pandora em sua casa. O seu porão está cheio de peças “boho-chic” como os vestidos de Vita Kin – “Eles são vendidos por mais de mil dólares na Net-a-Porter, os meus são muito mais baratos” – e gigantescos colares da África do Sul.

Mas ela é muito reconhecida mesmo por ser a mãe de duas supermodelos: Cara Delevinge, 23 – possivelmente a modelo mais famosa no universo – e Poppy, 30, que apesar de estar casada e aparentemente bem resolvida, é uma das marcas mais famosas do planeta e embaixadora da Chanel.

“Eu tenho que me beliscar ás vezes”, diz Pandora. “Eu penso nelas como sendo crianças pequenas bagunçando no jardim. Eu não olhei para elas e pensei ‘Uau, vocês duas serão supermodelos’. Eu não consigo ver elas desse jeito. Eu sou a mãe delas.”

Eu pergunto para ela como é ver elas caminhando por volta do mundo da moda. “Bem, é um pouco estranho”, ela diz. “Quando elas eram menores nunca me ocorreu que elas iriam ser tão bem sucedidas. Cara sempre foi uma pequena garota engraçada. Ela nunca usava nada a não ser o seu kit de futebol. Quando ela ia à festas, todo mundo estaria usando sapatos de couro e vestidos no estilo “pinafore” mas Cara estava sempre em roupas de menino. Ela era uma coisa engraçada de se olhar.”

Ela diz que Poppy era a mais “girlie” das duas. “Ela tinha estilo mas Cara era peculiar. Você não podia contar nada à Cara. Ela é assim agora. Ela tem uma grande força de vontade, mas ela é calorosa, generosa e honesta. Eu me sinto muito triste de não poder vê-las tanto quanto eu gostaria.”

Ela me diz que Poppy e seu marido, James Cook, acabaram de sair de sua casa. “Eles estavam morando aqui até ontem. Eu tenho uma terrível síndrome do ninho vazio. É uma coisa estranha, não é mesmo? Poppy é tão bem sucedida e focada e ainda assim ela e o James adoravam viver aqui comigo e com o Charles. Eu sentirei falta de cuidar dela.”

Charles Delevingne, um promotor imobiliário, é seu marido por mais de duas décadas. “Eu conheci ele quando eu tinha 22 anos. Eu era jovem e um pouco louca e eu nunca chegava à lugar algum na hora certa. Minha mãe nos mandou para Ascot – ele estava irritado porque eu estava atrasada mas eu me apaixonei, ou me encantei, imediatamente. Eu achava que ele era o homem mais bonito que eu já havia visto. Ainda acho isso.”

Se você olhar para as fotografias da família nas paredes, pode ver que a mistura genética dos fortes traços de Charles e Pandora é responsável por produzir três belezas. A outra filha deles, Chloe, 32, está trazendo suas duas crianças, Juno e Atticus, com seu marido para o país. “Chloe é muito inteligente, mas ela queria dar um tempo na sua carreira de cientista para criar seus filhos. Ela não é tão sociável quanto as duas outras.”

Ela puxa a sua ética de trabalho de seu pai, o publicitário magnata Sir Jocelyn Stevens, que morreu há um ano e meio atrás. “Ele tinha demência e era horrível. Eu não conseguia suportar.” Ela diz que até ele ficar doente, ele estava trabalhando duro. “Ele era viciado em trabalho. Ele era um homem muito dinâmico mas eu tinha medo dele porque ele era bravo. Ele deixava minha mãe louca.”

Sua mãe é Jane Sheffield, uma ex-dama de companhia da Princesa Margaret e uma it girl de seu tempo. “As pessoas me perguntam sobre a vida da minha mãe, mas quando criança, o jeito que vivíamos me parecia normal. Eu sei que eu tinha uma babá e tudo isso, mas eu pensava que todo mundo vivia assim. Agora eu percebo que eu era imensamente privilegiada.” A mãe de Delevingne era melhor amiga da Princesa Margaret, e seus pais frequentemente saiam em feriados com ela e com seu marido Anthony, Lorde Snowdon. “Esse era o papel da minha mãe. Ela era a mão direita da Princesa. Mas não era fácil porque eu acho que a Princesa Margaret era complicada.”

Delevingne descreve a sua vida em casa como complicada também: sua mãe, de uma beleza esplêndida, e seu pai atraente mas arrogante. “Eu estava no internato a maior parte do tempo. Meus pais não cuidavam muito de mim. Eles eram de uma classe em que isso era esperado deles. Eu não suportaria ser assim com as minhas crianças.”

Pandora também era de uma beleza esplêndida quando era uma jovem mulher e, como sua mãe, era uma debutante. “Eu odeio a palavra ‘debutante'”, ela diz, de repente parecendo meio brava e acendendo um de vários cigarros. “Eu odeio que você tenha até mesmo falado essa palavra. Eu tive uma festa de debutante mas eu coloquei licor no bule de chá e me recusei a me comportar. Eu nunca me comportei e acho que esse é meu problema.”

O jeito de não se comportar de Pandora Delevinge tem sido muito bem documentado. Ano passado Cara falou sobre a batalha de sua mãe com a heroína, e sobre como ela saía de casa quando atingia um ponto fraco. Cara também revelou que sofreu de depressão, e acredita que isso veio parcialmente de sua mãe. Como Delevingne se sente sobre isso?

“Eu acho que a Cara tem sido honesta. Não era muito um segredo mesmo. Meu pai passou metade da vida dele tentando achar as pessoas que me vendiam e me tirando de enrascadas. Ele não entendia o porquê de eu ser uma viciada e era difícil de explicar porque eu mesma não sabia.”

Ela diz que acha que se viciou porque estava entediada. “Eu não quero ser a coitada garota rica, mas eu estava triste por muito tempo na minha vida.” Ela acha que isso tinha a ver com a sua condição bipolar, que não foi diagnosticada até ela ter 30 anos. “Eu tinha esses grandes altos e depois horríveis pontos baixos, onde tudo parecia tão sem vida. Os altos eram intensos e os baixos eram mais que terríveis. Eu queria escapar da dor.”

Seus baixos, ela me diz, tem sido pecaminosos. “Um ano atrás eu estava deitada em um colchão em um quarto com uma lâmpada oscilante em cima de mim e eu só queria morrer.” Por que ela queria morrer? Ela aparentemente tem tudo – três filhas que a amam, um marido que continua a seu lado.

“Eu sei, é terrível, não é mesmo? Mas eu não estava bem emocionalmente, e queria que a dor se fosse. Eu não consigo descrever à você o quão horrível e desesperador é estar assim. A morte parece preferível.” Ela tem escrito isso tudo em um livro que ela chamou de “Sombras na Minha Parede” (Shadows on My Wall). “Está sendo editado e eu espero achar uma publicadora”, ela diz.

Ela acredita que sua depressão e bipolaridade começaram quando ela era uma criança. “Eu tenho sentido vergonha e culpa desde que eu era criança.” Ao longo dos anos ela tem um tipo de culpa de sobrevivente. “Meu irmão mais novo Rupert tinha o que seria chamado de paralisia cerebral hoje em dia. Naquela época, ele só era chamado de deficiente.” A vida dele era muito difícil, ela diz. Ele deitava acordado a noite toda gritando de dor. “Eu ouvia ele em agonia. E tudo que eu conseguia pensar era ‘por que ele? Por que não eu? Deveria ser eu sofrendo e aí Rupert poderia ser saudável.’ Ele morreu quando tinha 23 anos. Ele teve uma vida terrível mas a sua doença dividiu a nossa família e nós nunca nos recuperamos.”

Mesmo assim o vício de Delevingne não dividiu a sua família. Eu me pergunto por que? A Cara fala sobre ter tido que cuidar de sua mãe e do efeito que isso teve nela. Nada disso parece fácil. “Não é”, Delevingne diz.“Eu levo cada dia à seu tempo.” Ainda assim suas crianças a adoram, e seu marido também. “Charles é um santo. Ele não entende a minha condição. Ele nunca entenderá. Ele é como o meu pai nisso, mas ele nunca me deixou.”

Charles Delevingne frequentemente aparece no circuito social sozinho. “Isso é porque eu não gosto muito de sair”, diz Pandora. “Charles é muito sociável e eu realmente gosto de ficar em casa e assistir televisão. Na verdade, eu amo. Quando nós somos convidados para sair, meu coração afunda, mas Charles tem sido tão bom para mim, que direito tenho eu de não o deixar aproveitar a sua vida? Eu confio nele. Eu posso ser idiota de o fazer, mas eu confio.”

Delevingne diz que tudo mudou para ela quando ela fez 50 anos. “Eu parei de ter a energia que eu tinha. Eu festejava todas as noites da semana. Agora se eu festejar duas noites, eu fico exausta.”

Ainda assim suas filhas levam vidas tão corridas. Como ela as acompanha? “Eu não acompanho”, diz ela. Ela parece extremamente triste. “Ás vezes eu queria que minha pequena garota viesse para casa. E aí eu me lembro de que ela não é minha pequena garota mais. Ela é a sua própria mulher, Cara, e eu a respeito por isso. Ela tem uma vida muito estranha. Em um minuto, ela está rodeada de amigos, e no próximo ela está viajando o mundo. Eu não acho que eu conseguiria lidar com isso. Todos pensam que a conhecem mas eles não a conhecem, e é uma vida meio sozinha.”

Ela diz estar feliz que Cara está em uma relação estável e amorosa com a cantora St Vincent, a qual tem o nome real de Anne Clark. “Ela é amável e elas estão muito felizes. Eu acho que foi tão corajoso da Cara de mostrar a sua sexualidade. Eu acho que ela é surpreendente.”

Ela é uma mulher engraçada, Pandora Delevingne. Ela é obviamente ainda muito frágil. Ela fuma e toma infinitas garrafas de Lucozade e frequentemente perde sua linha de raciocínio. Mas ela também é muito calorosa, e Chloe já a chamou de “o ser humano mais corajoso que eu já vi”. Poppy já disse: “A melhor coisa da minha mãe é a sua honestidade.”

“Elas são tolerantes”, Delevingne diz. “Elas podem não me adorar totalmente mas elas me entendem.”

Antes de eu ir, digo para ela que estou desesperada para perguntá-la, por causa de suas conexões da realeza, se a Kate irá a sua inesperada loja no porão? Ela ri. “Ela é mais do que bem-vinda. Eu amo ela e o Wills. Nós fomos ao casamento deles e foi maravilhoso. Eles são pé no chão e muito divertidos”. Então ela faria a Kate colocar um dos vestidos da Vita Kin talvez? A Pandora levanta uma sobrancelha. “Eu acho que já falei o bastante”, ela diz. E então ela toma mais um gole de Lucozade e sorri.

 

Entrevista traduzida por Natasha Camila Campi da equipe do CDBR

Fonte: The Times

Facebook
Instagram
Parceiros
  • Blake Lively Brasil